Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Último dia da Mostra das Profissões atrai alunos de todas as idades

Nem todos os 70 mil estudantes que passaram pela Mostra das Profissões da UFMG nos últimos três dias estavam ali para decidir o seu futuro profissional. Alguns vieram ao campus por mera curiosidade, como Alexandre Tanure, 11 anos, acompanhado da mãe Jorgia Tanure. “A primeira sala que o Alexandre quis visitar foi a de Química. Ele adora matemática e ciências”, conta.

Esse interesse despreocupado não chega a ser novidade, diz o professor Adão Sabino, do Departamento de Química do ICEx. “De fato, muitas pessoas vêm só para ver os experimentos”, revelou ele, enquanto utilizava diferentes compostos químicos para criar chamas coloridas na tarde desta sexta-feira, em uma sala no prédio da Fafich.
A maioria, no entanto, veio para se informar melhor e tomar a tão difícil decisão. No caso de Patrícia Garcia, aluna do 3º ano do Colégio Marista Dom Silvério, o primeiro passo foi dado, mas o segundo ainda vai demorar um pouco mais. “Agora que conheço melhor os cursos, posso pensar com mais calma e escolher o que quero de verdade”, diz ela, dividida entre Geologia e Geografia.
Mais objetivo, João Rafael Silva, 17 anos, se decidiu durante a Mostra mesmo. “Sabia que queria algo relacionado ao campo, mas não tinha certeza. Vou tentar Agronomia”, decretou o estudante de Pompéu, que visitava a UFMG pela primeira vez.
Uma das salas mais visitadas foi a da Educação Física. Segundo a professora Ana Claudia Couto, coordenadora do colegiado de graduação, a maioria dos alunos se espanta quando descobre que Educação Física não é somente um curso prático. “Tentamos apresentar o curso baseando-se sempre nos três pilares acadêmicos da UFMG: ensino, pesquisa e extensão”.
Balanço positivo
Para a coordenadora-geral da Comissão Permanente de Vestibular (Copeve), Vera Resende, a organização da Mostra das Profissões deste ano foi um grande sucesso e apresentou avanços em relação à edição passada. “A alteração nos sentidos de circulação do trânsito interno do campus ajudou a criar um espaço mais seguro e tranquilo para os estudantes”, afirma Vera.
Para recepcionar os visitantes, a Copeve isolou a área em frente à Praça de Serviços, o que facilitou a circulação dos pedestres. Além disso, foram montadas 14 barracas de lanche no estacionamento do ICEX e todos os restaurantes do campus funcionaram normalmente. “Outra ação importante foi concentrar os cursos por áreas afins para orientar os visitantes”, destaca Vera Resende.
Ainda assim, algumas salas e palestras foram muito procuradas e não comportaram todos os interessados. “Cursos como Medicina, Direito e Engenharia Civil, muito concorridos no vestibular, também acabam atraindo mais gente na Mostra. Para o ano que vem, pretendemos realizar atividades em horários diferentes, além de pensar em alternativas para garantir que todos consigam assistir às palestras e visitar as salas que desejarem”, conclui Vera.

(Cedecom/UFMG)