Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Repositório Institucional vai concentrar conteúdo científico e intelectual produzido pela comunidade da UFMG

Repositório Institucional vai concentrar conteúdo científico e intelectual produzido pela comunidade da UFMG

Autoarquivamento, automatização padronizada de metadados e integração são algumas das características que diferenciam o novo Repositório Institucional da UFMG (RI-UFMG), que reunirá, em um único ambiente digital, todo o conteúdo científico e intelectual produzido nas áreas de ensino, pesquisa, extensão e gestão da Universidade. Disponível para consulta pública, o RI-UFMG, abrigado no Sistema de Bibliotecas da Biblioteca Universitária (BU), já conta com mais de 30 mil documentos importados e cerca de uma centena de novas teses e dissertações arquivadas pelos  próprios autores.

Em outubro, o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) aprovou resolução de criação do repositório, da sua política informacional e do Comitê Gestor que vai gerenciá-lo. Até o momento, havia três repositórios na Universidade que operavam em unidades distintas e sem conexão entre si: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD), Repositório de Objetos de Aprendizagem e Repositório Digital da UFMG. “O novo ambiente contribuirá para melhorar a visibilidade da produção acadêmica e intelectual da UFMG e seu acesso pela sociedade”, avalia o pró-reitor de Pesquisa, Mario Campos.

O RI-UFMG está estruturado inicialmente em quatro comunidades: trabalhos acadêmicos (coleções de teses, dissertações, monografias, memoriais, trabalhos de conclusão de curso e de pós-doutorado), publicações científicas e culturais (artigos, livros, capítulos de livros, trabalhos publicados em eventos, relatórios de pesquisa), recursos educacionais (materiais didáticos, jogos, objetos educacionais, entre outros) e gestão (relatórios anuais, manuais de processos e atas). A plataforma utilizada é o software livre Sistema para Construção de Repositórios Digitais (DSpace), projeto colaborativo da MIT Libraries e da Hewlett-Packard Company, customizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT).  

No novo repositório, o estudante ficará responsável pelo autoarquivamento da sua produção no Siga, após validação pelo professor orientador, via sistema.

O repositório foi concebido e desenvolvido por equipe multidisciplinar, instituída pela Pró-reitoria de Pesquisa e integrada por professores e técnicos da Biblioteca Universitária (BU), da Diretoria de Governança Informacional (DGI), da Diretoria de Inovação e Metodologias de Ensino (GIZ), do Centro de Apoio à Educação a Distância (Caed), do AVAS 21, da Faculdade de Medicina, e da Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI). De 2015 a 2018, o grupo trabalhou em pesquisas, análises e trocou experiências com a Universidade do Minho, em Portugal, líder das ações de ciência aberta na Europa, para proposição do repositório. “O apoio institucional possibilitou a concepção da política de informação e a aprovação de um projeto, em parceria com o Departamento de Registro Acadêmico (DRCA) e a Diretoria de Tecnologia da Informação, para integrar a plataforma do RI-UFMG com o Sistema de Controle e Registro Acadêmico da Universidade (Siga). Isso contribuirá para a celeridade no processo de disponibilização da informação e expedição de diploma”, afirma a diretora do Sistema de Bibliotecas, Kátia Lúcia Pacheco. 

No novo repositório, o estudante ficará responsável pelo autoarquivamento da sua produção no Siga, após validação pelo professor orientador, via sistema. As secretarias dos departamentos e colegiados já estão preparadas para orientar os estudantes, que também podem acessar o tutorial no site do RI-UFMG.   

Inovações

Algumas ações inovadoras foram implementadas para facilitar a organização e tratamento da informação. Uma delas é a customização de alguns metadados, que identificam os órgãos financiadores de pesquisa, departamentos da instituição e outros identificadores persistentes para autores e para as publicações. Também foram aplicadas regras para importar dados da Plataforma Lattes, como título, autor, palavras-chave, entre outros. A DTI criou os algoritmos para a importação dos dados de forma uniformizada. “Esse procedimento possibilita maior agilidade no processo de povoamento da plataforma com objetos informacionais e facilita o trabalho de tratamento da informação”, observa a bibliotecária Izabel Antonina de Araújo, cooordenadora do setor do Repositório na BU.

Piloto para a graduação

Segundo Kátia Pacheco, um projeto piloto está sendo analisado pela Pró-reitoria de Graduação, DRCA e DTI, para disponibilizar, no repositório, os Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) das graduações em Arquitetura, Direito e Ciência da Informação. O arquivamento de TCC em repositório institucional acessível pela internet é um dos critérios para obtenção do conceito máximo (nota 5) em cursos em que o TCC é obrigatório, conforme determina o Instrumento de Avaliação de Curso de Graduação do Sistema de Avaliação de Cursos de Graduação (Sinaes).

(Teresa Sanches)

Foto: Raphaella Dias/UFMG