Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

EEFFTO recebe a Oficina "Desenvolvimento Docente para a Avaliação Programática do Estudante em Cursos de Graduação da Área da Saúde no Brasil"

EEFFTO recebe a Oficina "Desenvolvimento Docente para a Avaliação Programática do Estudante em Cursos de Graduação da Área da Saúde no Brasil"

Nos dias 8 e 9 de agosto, foi realizado na Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional (EEFFTO) a Oficina "Desenvolvimento Docente para a Avaliação Programática do Estudante em Cursos de Graduação da Área da Saúde no Brasil". O objetivo foi auxiliar os professores da área da saúde a aprimorarem o conhecimento em relação aos métodos e estratégias que eles utilizam para avaliar os alunos.

Estiveram presentes os coordenadores da área da saúde da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), preceptores, discentes e representantes do Núcleo Docente Estruturante (NDE). O evento foi coordenado por Valdes Roberto Bollela, professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP). Ele explicou que a Oficina integra um projeto financiado por uma instituição internacional e a definiu como um curso de desenvolvimento docente para a avaliação do aluno.

"É muito bom estar presente. Nós temos oito instituições no Brasil que estão participando, incluindo a UFMG. Reunimos professores que sempre ensinam e avaliam e nós ajudamos esses, a conhecerem novas estratégias para avaliação do estudante. Para que o estudante se torne um profissional e e possa cuidar de alguém, é preciso ter adquirido conhecimento, habilidade, precisa ter respeito quanto aos valores da profissão. Chamamos isso de competência, que é possível ser concluída através de uma avaliação", relatou ele.

O evento foi recebido pelo projeto de extensão Aprimoramento Didático de Ensino Superior (ADES-FIT), coordenado por Daniela Vaz e Fabiane Ribeiro, professoras do Departamento de Fisioterapia da EEFFTO. Segundo Fabiane, o projeto já vem acolhendo alguns momentos voltados para professores, preceptores ou profissionais da área de docência, de duas a três vezes por semestre.

"Trazer essa Oficina para o ADES-FIT, é uma consequência muito esperada. Ela tem a cara do nosso projeto de extensão, ela é uma oficina de extensão aberta a todos os professores. Para a realização desse evento, teve-se o apoio da Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD). Foi cedido metade das vagas que tínhamos para a pró-reitora, que enviou um email para a coordenação dos cursos da área da saúde, pedindo para que participassem seus coordenadores ou algum representante do NDE", relatou.

A docente falou ainda sobre os benefícios da realização que busca contribuir no aprimoramento do conhecimento dos professores em relação aos métodos e estratégias que eles utilizam na avaliação dos discentes.

"Todo esse movimento é para o fortalecimento da docência, para melhora da qualidade de ensino dos nossos alunos, dos nossos departamentos e da EEFFTO, mas voltado, dessa vez, para área da saúde, na qual estamos situados. A idéia é realmente trazer um aprimoramento não só didático, mas do docente, que ele seja capaz de ser um professor melhor e mais apropriado da sua função de ensinar, não somente conteúdo, mas também outras competências", finalizou Fabiane.

Juntamente à professora Fabiane, Rosângela Gomes da Mota de Souza, coordenadora do Terapia Ocupacional, representou a UFMG na Oficina. Ela acredita que alguns cursos da UFMG, como Fisioterapia e Terapia Ocupacional, já realizam algumas atividades e iniciativas a respeito da melhor avaliação dos alunos.

"Nós realizamos algumas ações, mas é necessário um maior envolvimento dos docentes e ainda dos próprios alunos. Seria interessante que eles pudessem conhecer essas diferentes metodologias de avaliação, assim seria possível ter o engajamento deles nesse processo, com o objetivo de melhorar o aprendizado e de qualificar ainda mais a formação dos mesmos", disse ela.

(Texto e foto de Mariana Silva/ Assessoria da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional)