Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Curso de Letras-Libras tem aula inaugural nesta terça

Curso de Letras-Libras tem aula inaugural nesta terça

A aula inaugural e a recepção aos 30 calouros do curso de Letras-Libras da UFMG serão realizadas na noite desta terça-feira, dia 6, no auditório 2001 da Faculdade de Letras.

Às 19h30, a professora Ana Regina Campello, do Instituto Nacional de Educação de Surdos e do Programa de Pós-graduação em Ciências, Tecnologia e Inclusão da Universidade Federal Fluminense, vai ministrar a aula inaugural do curso. De acordo com a professora Giselli Silva, coordenadora da formação, Ana Regina é uma das pioneiras e liderança na área de inclusão de surdos do Brasil. Ela é doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina e coordena os grupos de trabalho Linguagem e Surdez, da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Letras e Linguística, e de Ensino de Libras, da Associação Brasileira de Linguística. Ana Regina também é membro da WFD (World Federarion of the Deaf).

Às 21h, haverá uma apresentação sobre os programas de assistência aos estudantes da UFMG gerenciados pela Fundação Universitária Mendes Pimentel (Fump).

Difusão de língua minoritária

A professora Giselli Silva explica que o curso é destinado à formação de professores de Libras e organizado em três eixos: conhecimento da área de linguística da língua de sinais, literaturas, especialmente surda, e formação pedagógica. “Estamos implantando o curso de uma língua minoritária, que dará oportunidades para que a comunidade surda tenha acesso ao ensino superior, possa se formar como professores e atuar na difusão desse idioma na sociedade”, destacou Giselli.  

O novo curso da Fale foi estruturado para abrigar disciplinas que podem ser lecionadas em Libras, mas também por professores que não são fluentes na Língua de Sinais. Durante as aulas, eles contarão com apoio de intérpretes do Núcleo de Acessibilidade e Inclusão (NAI) da UFMG. A criação do curso de Letras-Libras, aprovada em novembro do ano passado pelo Conselho Universitário, atende a um grupo de pessoas que não tem o Português como língua primária.

(Cedecom/UFMG)

Foto: Gabriel Araújo/UFMG