Brasil
< Início

Muito obrigada, professor Tomaz Aroldo da Mota Santos! Homenagem da Pró-reitoria de Extensão da UFMG

Publicado em: 18-06-2020

Tomaz_Aroldo_Unilab_Easy-Resize.com

Ele deixa como legado a admiração e trajetória de luta e destaque (Foto:Foca Lisboa/UFMG

É com extrema tristeza e consternação que recebemos a notícia do falecimento do professor emérito e Reitor da UFMG Tomaz Aroldo da Mota Santos (Gestão 1994-1998), hoje dia 18 de junho de 2020. 

Tomaz, baiano de Jacobina, nasceu em janeiro de 1944. Graduou-se em Farmácia-Bioquímica na UFMG (1968), onde também cursou o doutorado, entre 1969-1977, na área de imunologia estudando a esquistossomose. Sua formação estendeu-se ainda para um estágio pós-doutoral entre 1986 e 1988 no Instituto Pasteur, em Paris. Entre 1998 e 1999 esteve como professor visitante no Instituto Gulbenkian de Ciência, em Portugal. Sua trajetória e atuação na universidade foi longa, diversificada e destacada. Foi diretor do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) por duas vezes (1990-1994 e 2010-2014). Atuou ainda como Pró-Reitor de Extensão entre 1984 e 1986 e Reitor entre 1994 e 1998.

Sua atuação como Pró-reitor de Extensão foi marcante para o deslocamento das perspectivas de extensão compreendidas como assistencialismo para o campo da inclusão e dos direitos.

Esteve ainda como Reitor da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab) entre março de 2015 e novembro de 2016.

Em maio de 2017, quando se tornou professor emérito, em seu discurso, contou um pouco de sua história e destacou a força da educação pública, que ajudou-o substancialmente em sua trajetória. Tomaz fazia referência aos avanços feitos por Anísio Teixeira com a implementação de escolas públicas no interior da Bahia, assim como o segundo grau em Salvador, em meados do século passado.

Com uma atuação destacada por todos os espaços onde passou, Tomaz ainda comentou o fato de ter sido o primeiro reitor negro da UFMG. Em seu discurso, naquela oportunidade, fez uma reflexão sobre sua negritude, o racismo e o papel da universidade no combate a discriminação. “Como primeiro reitor negro da UFMG, essa questão ganhou uma visibilidade que até então eu desconhecia”.  Disse ainda que percebia “certo estranhamento, principalmente externo à Universidade, em algumas vezes sugerido, noutras explicitado, de que eu estaria ocupando um lugar que não era meu; um lugar errado, inapropriado para um negro". No entanto, acrescentou, que houve reações muito positivas: “Fui abordado por pessoas negras e não negras que, ao me verem nas funções de reitor, expressavam sentimentos de admiração e orgulho. Diziam-me, principalmente as pessoas negras, que se sentiam bem, valorizadas, me vendo na TV, nas formaturas, em eventos públicos, como reitor da UFMG. Sem que eu falasse, o meu corpo, como se fosse um discurso, dizia: negros podem ocupar funções de relevo, de maior prestígio social".

Cerca de um ano atrás, Tomaz tomou posse como diretor da Organização dos Aposentados e Pensionistas da UFMG (OAP), para a gestão 2019-2021, na oportunidade, em seu discurso, disse: “Saímos da UFMG, mas a UFMG não sai de nós. E é com essa expectativa que esperamos continuar contribuindo, não mais como comunidade de trabalho, mas como comunidade de vida, para sermos mais solidários uns com os outros"

Tomaz Aroldo nos deixa com muita saudade, mas certamente nunca vamos deixar de lembrar o legado de sua atuação humanista, crítica e voltada para a comunidade e a transformação social na UFMG. Em tempos politicamente tão obscuros como os que agora vivemos no Brasil, a presença, o pensamento, a generosidade e a inteligência de Tomaz Aroldo vão nos fazer muita falta

Nossos sentimentos a todos os familiares e amigos.

Tomaz, onde quer que você esteja, muito obrigada por tudo! Pela sua grandeza e generosidade!

Equipe da Pró-reitoria de Extensão da UFMG

-

AV. Antônio Carlos, 6627 - Pampulha - prédio da Reitoria, 6° andar - Belo Horizonte - MG/CEP 31270-901