Brasil
< Início

Experiências acerca do fortalecimento da UFMG são compartilhadas por estudantes na 19ª Jornada de Extensão

Publicado em: 7-07-2020

Protagonismo dos estudantes na pandemia, reinvenção da extensão e desafios da atuação com as comunidades nortearam as atividades 

foto3

Vídeo apresentado pelo Carro Biblioteca demonstrou as interações atuais com as comunidades

Pela primeira vez, a Jornada de Extensão da UFMG acorreu de forma virtual nesta terça-feira (7). A força e protagonismo dos estudantes durante a pandemia da Covid-19, a reinvenção da extensão e o fortalecimento da atuação junto às comunidades orientaram a programação do evento, que contou com transmissão pelo canal do YouTube Coordenadoria de Assuntos Comunitários (CAC) e tradução em libras pelo Núcleo de Acessibilidade e Inclusão (NAI).

Ao comentar os desafios enfrentados pela Universidade e a importância de se manter “acesa” a tradição da Jornada, a reitora da UFMG, Sandra Goulart Almeida, afirmou que a pandemia veio para ser um “divisor de águas” na Universidade e na sociedade. “Neste momento tão difícil, é muito importante realizarmos um evento como este, que nos faz repensar e refletir sobre os desafios que nos acompanham hoje e nos acompanharão para os próximos anos”, afirmou Sandra, destacando que a pandemia também “marca uma mudança de comportamento da sociedade, exigindo mais inclusão, solidariedade e responsabilidade para com o próximo e o planeta”.

foto4

Sandra Goulart Almeida: desafios atuais e futuros

A pró-reitora de Extensão da UFMG, Claudia Mayorga, abordou os principais eixos de atuação da extensão no momento e as ações que têm sido desenvolvidas durante a quarentena, agradecendo especialmente a participação dos estudantes. “A UFMG não parou quando suspendemos as atividades presenciais, no dia 19 de março. Pelo contrário, a Universidade se reinventou e fortaleceu seu diálogo com os setores da sociedade, tendo os estudantes como protagonistas neste contexto”, disse Claudia, enfatizando ainda que o momento “demostrou que é possível, sim, fazer extensão em uma conjuntura de distanciamento social”.

Diversidade compartilhada

Comemorando 35 anos de extensão, professores e alunos do Centro de Musicalização Integrada (CMI), da Escola de Música, exibiram uma interpretação especial para o evento da música Sal da Terra, de Beto Guedes. Antes, a diretora do CMI, professora Angelita Broock, apresentou e convidou o público a conhecer as iniciativas de formação musical para crianças e adultos por meio webinários e redes sociais.

05

Evento teve apresentação emocionante do CMI

A estudante do curso de Publicidade e Propaganda da UFMG, Luiza Nestor, representou a Clínica de Direitos Humanos (CdH), vinculada à Divisão de Assistência Judiciária (DAJ) da Faculdade de Direito. Ela expôs sua experiência na comunicação da Cdh, onde tem contribuído para a aplicação do conceito de litigância estratégica para a defesa e promoção dos direitos da população vulnerabilizada. “A metodologia é uma ferramenta e meio para a solução de casos gerais de violação de direitos humanos recebidos pela Clínica, em especial envolvendo grupos vulneráveis como a população GLBT e a carcerária”, explicou.

Ao falar de sua participação e dos resultados do projeto de extensão Apoio às Equipes de Saúde da Família no enfrentamento da epidemia do Covid-19 por meio de dispositivos remotos, da Escola de Enfermagem, a doutoranda Isabela de Caux Bueno afirmou que a iniciativa “permite a integração e compartilhamento de experiências entre alunos, professores e serviços de saúde, as quais são fundamentais para novas práticas em saúde e em enfermagem no enfrentamento à Covid-19 em comunidades parceiras”.

Um dos mais antigos programas de extensão da Universidade, o Carro Biblioteca se fez representado pela bolsista e aluna do curso de Biblioteconomia, Luana Bozi. Ela apresentou o projeto Rádio Janela, que durante a quarentena tem levado cultura, contação de histórias e informação sobre Covid-19 a comunidades com dificuldade de acesso à internet. “O projeto surgiu de uma demanda das localidades que eram atendidas presencialmente pelo programa. Em sua maioria, são pessoas carentes e sem acesso, por exemplo, às redes sociais. Elas encontram na Rádio Janela uma maneira de ter acesso à informação, cultura e entretenimento”, afirmou a estudante.

Capacidade inventiva

Os convidados e o público também participaram de debate conduzido pela professora da Faculdade de Odontologia (FAO) e coordenadora do Centro de Extensão da Unidade, Maria Inês Barreiros Sena. Segundo a professora, em meio a vulnerabilidades e iniquidade sociais agravadas pela pandemia, a UFMG tem dado respostas rápidas aos grandes problemas.

foto1

Ao mediar debate com estudantes, professora Maria Inês, da FAO, destacou qualidade da extensão produzida na UFMG

 “A capacidade de invenção e renovação ficou claro aqui hoje e mostra a qualidade da extensão que é produzida na UFMG”, destacou a professora, que reiterou a importância da atuação dos discentes na pandemia. “Não é possível fazer extensão sem os estudantes, e a Jornada nos demonstra esse protagonismo e interação dialógica adequados à nova realidade”.

O vídeo da 19ª Jornada de Extensão está disponível no site do evento.

Os participantes que se inscreveram poderão obter certificado por meio de resposta a formulário de avaliação.

AV. Antônio Carlos, 6627 - Pampulha - prédio da Reitoria, 6° andar - Belo Horizonte - MG/CEP 31270-901