Brasil
< Início

Encontro debate os desafios da proteção de povos indígenas isolados

Publicado em: 30-07-2020

Palestra on-line traz temática que relaciona gestão de áreas protegidas e a situação de indígenas isolados da Amazônia brasileira

c6fb15be-7c02-41cb-a984-cc022777e425

Situação de grupos indígenas isolados apresenta desafios à proteção aos diretos desses povos (Reprodução YouTube)

O evento de encerramento do ciclo de palestras on-line da Estação Ecológica UFMG teve como convidado o biólogo e ex-coordenador da Frente de Proteção Etnoambiental Madeira-Purus/FUNAI, Daniel Cangussu. Ele abordou o tema “Metodologias de monitoramento e proteção dos territórios de povos indígenas isolados da Amazônia brasileira”. 

O histórico de exploração, o desenvolvimento das cidades e das indústrias, o aumento das monoculturas e garimpo fizeram com que as populações indígenas passassem a viver em "ilhas de florestas", mas não espontaneamente, como explicou Daniel. 

Atualmente, segundo a Fundação Nacional do Índio, existem no Brasil cerca de 114 registros de presença de índios isolados em toda a Amazônia Legal. A Funai entende como grupos indígenas isolados aqueles que não estabeleceram contato permanente com a população nacional, diferenciando-se de povos indígenas que mantêm contato antigo e intenso com “não-índios”. “Na ocasião dos contatos que eram feitos com esses povos, eles também transmitiam as epidemias, que são provavelmente a principal razão da mortalidade acentuada desses povos”, afirmou Daniel.

Ele apresentou outros desafios à proteção desses povos, afirmando que “existem muitas pessoas, principalmente na Funai, que começam a colocar em xeque a política do ‘não-contato’ por razões muito ruins, seja para avançar sobre os territórios, para destruir a floresta e plantar soja, seja porque acreditam que eles precisam ser localizados, contatados, evangelizados”, destacou o palestrante, que atualmente é mestrando em Gestão de Áreas Protegidas na Amazônia no INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia). 

Ciclo de temas relevantes

A palestra “Metodologias de monitoramento e proteção dos territórios de povos indígenas isolados da Amazônia brasileira” ocorreu na terça-feira, dia 28 de julho. O vídeo da transmissão pode ser assistido, na íntegra, no canal do YouTube do Centro de Síntese Ecológica e Conservação (CSEC). Foi o último encontro do ciclo de palestras promovido pela Estação Ecológica UFMG em parceria com o Programa de Pós-graduação em Ecologia, Conservação e Manejo de Vida Silvestre (ECMVS) da UFMG.

Os encontros on-line debateram, de 21 a 28 de julho, temas de interesse público na área de administração de áreas protegidas e conservação dos recursos naturais no país (programação completa aqui).

Leia também:

Mosaico do Jacupiranga permitiu a conservação da biodiversidade e conquistas socioambientais

Debate sobre atuação da Estação Ecológica UFMG na conservação da biodiversidade abre ciclo de palestras on-line

Texto: Júlia Salles/Bolsista da Assessoria de Comunicação da Proex

AV. Antônio Carlos, 6627 - Pampulha - prédio da Reitoria, 6° andar - Belo Horizonte - MG/CEP 31270-901