VI Encontro de Comunicadores acontece na cidade de Cachoeira de Pajeú

VI Encontro de Comunicadores acontece na cidade de Cachoeira de Pajeú

Por Beatriz Monteiro

A pequena cidade localizada na Microrregião Pedra Azul recebeu cerca de 180 participantes para o Encontro, quantidade recorde de todas as edições. O evento contou com a participação de mais de 22 cidades, sendo elas: Araçuaí, Águas Formosas, Almenara, Bandeira, Curral de Dentro, Capelinha, Governador Valadares, Itinga, Itaobim, Itabatã (BA), Jequitinhonha, Medina, Minas Novas, Montes Claros, Monte Formoso, Nova Viçosa (BA), Padre Paraíso, Pedra Azul, Ponto dos Volantes, Rubim, Salto da Divisa, e Taiobeiras.

Além dos participantes, o Encontro reuniu também a organização local, composta por 80 pessoas, que se dividiram em grupos responsáveis pela articulação geral, divulgação, secretaria, apoio às oficinas, limpeza, segurança, alojamentos, suporte técnico, informações, transporte e alimentação. Soma-se a essa contagem, também, a equipe de coordenadores, bolsistas e ministrantes de oficinas que saíram de Belo Horizonte a fim de apreciar e colaborar com o evento.

m1

Como é tradição nos Encontros, o primeiro dia contou com a Abertura Solene, onde reuniram-se à mesa algumas autoridades locais, como o prefeito Humberto Tolentino Pereira e o vice-prefeito Wallace Dias e também membros da organização do evento, entre eles Daniel Mendes, Glaubert de Souza e o professor da UFMG Márcio Simeone, coordenador do Suporte de Comunicação do Programa de Extensão Polo UFMG. Falou-se do processo de organização do evento, que teve início em 2015, na cidade de Medina, quando Cachoeira de Pajeú demonstrou interesse em sediar a o Encontro. Foram ressaltadas também as expectativas para o evento e a esperança de realizar a frase que fora repetida diversas vezes: “Cachoeira não será a mesma após o Encontro”, enfatizando a importância do evento para a cidade a para a população local.

Após a Abertura, a atenção do público foi atraída pelas apresentações culturais, como a Fanfarra Municipal que ritmou o hino nacional, o pequeno Sandro Augusto que recitou um cordel, a performance de Felipe Cortez e Marcos Vinícius e a apresentação cativante do Grupo Envelhecer Sorrindo. Depois da descontração com as apresentações culturais, foi iniciada a sessão "Memórias da comunicação do Vale do Jequitinhonha". Ângela Freire, da cidade de Araçuaí, abriu a sessão apresentando a pesquisa que realizou sobre o jornal Pão e Pedacinhos. Na sequência, as alunas do curso normal superior de Cachoeira de Pajeú apresentaram o trabalho que fizeram sobre a história da cidade. Dando continuidade à sessão,  Jô Pinto, de Itinga, apresentou um pouco da história da Rádio Cultura de Itinga e ressaltou sua importância para a comunicação local. Por fim, Moisés Silva, de Rubim, leu um texto escrito por ele sobre a comunicação no Vale. As cidades de Jequitinhonha e Salto da Divisa também iam apresentar suas produções na sessão, mas, por questões técnicas, a apresentação foi adiada para a mostra das oficinas.

O boi de janeiro acordou a todos na manhã de sábado, que seguiu animada com a continuação das oficinas iniciadas na sexta-feira. Familiarizados com os colegas e ministrantes, os participantes continuaram a realizar suas produções, já que a mostra de oficinas acontece no segundo dia do Encontro. Quando o sol forte do Vale do Jequitinhonha desapareceu, a estrutura da Mostra de Oficinas já estava montada na Praça Rui Barbosa: palco, cenário, tela e cadeiras ocupavam o espaço que normalmente se encontra livre para a passagem de carros e pedestres. Os muros grafitados pelos participantes da Oficina de Grafite e os lambe-lambes da Oficina de Mobilização também decoravam o local. O Grupo Vozes de Araçuaí deu início à noite mais esperada do encontro encenando a peça O Homem da Vaca e o Poder da Fortuna.  Em seguida os participantes das oficinas exibiram suas produções.

m2

A exibição de fotos da Oficina de Fotografia provou que é possível fotografar com qualidade e criatividade através de câmeras de celulares e os participantes da Oficina de Mídia Tática fizeram uma intervenção emocionante sobre preconceito racial e homofobia. Já os participantes da oficina de Cineclubismo optaram por entrevistar e fotografar moradores da cidade de Cachoeira e suas opiniões sobre a mesma. A oficina de Cobertura Midiática produziu um vídeo muito rico sobre a sexta edição do Encontro, enquanto o vídeo produzido na Oficina de Edição e Produção Audiovisual focou nas mudanças e no futuro do evento. A Oficina de Redes Sociais tirou risadas da plateia com os memes e a cidade pôde acompanhar ao vivo um programa de rádio criado na Oficina de Locução e Técnica Vocal. Após a mostra de oficinas, a tradicional virada cultural alegrou o restante da noite com suas atrações.

No último dia da sexta edição do Encontro de Comunicadores do Vale do Jequitinhonha, Tadeu Martins compartilhou um pouco da sua trajetória na luta pela comunicação do Vale, relatando os passos do jornal Geraes e sua importância para a região. Para encerrar as atividades, a plenária discutiu os encaminhamentos para a continuidade do Encontro. Laura Pimenta e Márcio Simeone apresentaram o levantamento do número de participantes e cidades presentes na sexta edição e também elencaram os recursos e infraestrutura necessários para sua realização. Diante desse momento de transição da gestão do Encontro, uma vez que o Polo Jequitinhonha não poderá mais assumir a coordenação do evento, essa apresentação da estrutura necessária para sua realização é fundamental para a continuidade do mesmo. Cientes da importância de dar continuidade às discussões sobre a comunicação no Jequitinhonha, os participantes do 6° Encontro aprovaram a criação de uma comissão gestora dos Encontros de Comunicadores que contasse com representantes das cidades que já foram sede do evento e que estão envolvidos nos processos comunicacionais da região. Assim, acordou-se que a comissão deveria ser constituída por Felipe Matos, do Redondo Centro Multimídia de Jequitinhonha, Willian Nascimento, da Secretaria de Cultura de Pedra Azul, e Daniel Mendes, da Secretaria de Saúde de Cachoeira de Pajeú.

m3

Estando a comissão gestora formada, com representantes de cidades que já foram sede, foi aberto o espaço para a candidatura das próximas cidades-sede. Rubim e Jequitinhonha se colocaram à disposição para sediar a próxima edição. Para que a escolha seja democrática, estipulou-se que as cidades que se candidataram na plenária formalizem seu pleito até o dia 3 de março. No dia 3 a Comissão Gestora também receberá a formalização da candidatura das cidades que querem ser sede em 2019 e 2020.

<< Voltar
AV Antônio Carlos, 6627. UFMG Campus Pampulha, Prédio da Reitoria, 6° andar - Belo Horizonte - MG
  • Miriam Pontello
  • Artur Carvalho
  • Januário Carvalho
  • Jonathan Balmant
  • Bruna Lubambo